• Felipe Ruzene

À Mesa de Platão [Livro]

Livro intitulado "À Mesa de Platão: Filosofia e Alimentação nos diálogos socrático-platônicos", publicado pela Saca-Rolhas Edições com autoria de Felipe Ruzene. A obra é fruto da Monografia do autor entregue para obtenção do título de Bacharel em Filosofia pelo Centro Universitário Claretiano. A obra se encontra disponível nas versões digital (Ebook) e física (impressa).



A designação da alimentação como “arte culinária” ocorreu pela primeira vez na obra do filósofo Platão, mais precisamente em A República, no diálogo entre Sócrates e Polemarco. Séculos adiante, o filósofo prussiano Friedrich Nietzsche, acometido por sérios problemas gastrointestinais, solicitou que fosse feita uma “filosofia da alimentação”, capaz de contemplar as propriedades e os efeitos morais dos alimentos na vida humana. Vislumbramos, portanto, que há muito se considera a intricada relação entre o comer e o pensar, entre alimentação e filosofia. Por isso, nos últimos anos, tem havido um crescente interesse das humanidades em pesquisas sobre a gastronomia e os hábitos alimentares, incluindo as práticas da Grécia Antiga. Assim, esta curta obra visa introduzir o leitor às concepções acerca da alimentação e culinária no pensamento filosófico platônico.


Palavras do Autor:


Neste texto temos por objetivo expor as concepções acerca das práticas alimentares na filosofia de Platão. Deste modo, apresentam-se os aspectos que relacionam o comer e o beber, a culinária e a comensalidade entre os gregos, às perspectivas do filósofo. Buscamos identificar os conceitos veiculados pelas personagens apresentadas nos diálogos platônicos, bem como observar as aproximações e divergências entre seus conceitos e as posições apresentadas por outras obras e autores do Período Clássico, elucidando quanto à variedade do pensamento grego a respeito das práticas alimentares. Isto posto, trataremos da alimentação em duas perspectivas diversas: a primeira relacionada à dietética e à medicina, na qual a refeição é convertida em uma techne necessária à “arte de cuidar do corpo” (σώματος θεραπείά ); segunda, o comer e o beber enquanto dimensões do gosto, uma empeiriaque leva o ser humano à constante busca pelo “grau superlativo do prazer” (ἥδιστον). Ou seja, dividimos as concepções platônicas entre a alimentação básica, com foco de subsistência e nutrição ao corpo, e a preparação de iguarias, a arte culinária e o comer como prazer e comensalidade. Tal temática apresenta relevante importância para os elementos presentes no pensamento de Platão (leia-se o pensamento veiculado por Platão e, não necessariamente, de sua autoria) e está diretamente relacionada às ocorrências históricas do mundo grego clássico, período no qual houve profundos desenvolvimentos nas técnicas e artes culinárias. Neste cenário, a alimentação se torna objeto de investigação filosófica para além de uma mera necessidade biológica, ingressando em um intricado sistema simbólico de significados sociais, sexuais, políticos, religiosos, éticos, estéticos etc. Para tanto, analisaremos as tendências gerais das percepções platônicas sobre as práticas alimentares de sua época e apontaremos os papéis da alimentação nas construções utópicas e ideológicas de Platão.


Informações Editoriais:


Autor: Felipe Ruzene

Título: À mesa de Platão: Filosofia e Alimentação nos diálogos socrático-platônicos

Editora: Saca-Rolhas Edições

Edição: 1ª/2022

Idioma: Português

Páginas: 56

ISBN: 978-65-00-43268-8



 


Referência:

RUZENE, Felipe. À mesa de Platão: filosofia e alimentação nos diálogos socrático-platônicos. Curitiba: Saca-Rolhas, 2022.

80 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo