• Felipe Ruzene

A França e seus Vinhos

Atualizado: Ago 21


Ah, les beautés de la France. Provavelmente os mais famosos, mais valorisados (às vezes os mais caros) vinhos vêm da França. O país é um verdadeiro queridinho do mundo dos vinhos por possuir as mais tradicionais regiões produtoras e ser a maior referência atual, em termos de produção, técnicas e terroirs. A França inspira vinícolas ao redor do globo, portanto é interessantíssimo conhecermos mais sobre esta que é a maior potência vinícola do mundo, produzindo cerca de 4,6 bilhões de litros de vinho por ano, e possuindo o maior mercado consumidor (per capita) da Europa.



Mais do que um gigante produtor de vinho, a França possui uma forte cultura vinífera. O vinho faz parte da vida do povo francês, parte fundamental de sua dieta e motivo de orgulho em toda a nação. Há, inclusive, uma história bastante interessante sobre a importância do vinho para os franceses:

Em 1999, o presidente do Irã, Mohammed Khatami, cancelou uma viagem à França, pois ele (de religião mulçumana, portanto abstêmio) havia exigido que não servissem quaisquer vinhos, ou bebidas alcoólicas, em geral, no banquete oferecido no Palácio do Eliseu (residência oficial do presidente francês). A resposta da França, é claro, foi "Não", alegando que a tradição de consumo de vinho é cultural, uma parte da essência e da alma francesas. Desenrolou-se aí uma crise diplomática entre os países, tudo por conta do Vinho...


Histórias à parte, a França possui mais de 15 regiões vinícolas, entre elas algumas das mais famosas do mundo. Nelas são produzidos os vinhos AOC (Appellation d'origine contrôlée), de origem controlada e que obedecem rigorosas legislações, específicas para cada uma das regiões. Além dos AOC, os franceses produzem também os VDQR (Vin délimité de qualité supérieure), os Vin de Pays (Vinhos regionais) e os Vin de Table (Vinhos de mesa).


Para explorarmos os vinhos, as uvas e os roteiros deste belíssimo país, vamos fazer um pequeno tour por algumas das regiões vinícolas da França:



Borgonha

A reputação dos vinhos de Borgonha os precede, lá são produzidos os rótulos mais desejados e mais caros de todo o país - alguns chegam a custar dezenas de milhares de reais. Nesta região 48% das uvas plantadas são Chardonnay, 34% Pinot Noir, 10% Gamay e 6% Aligoté. Outros 2% são variados com cepas como Sauvignon, César, Pinot Beurot, Sacy, Melon e outras. A região de Borgonha tem, apenas, 100 denominações reconhecidas de origem e, se estiveres a fim de gastar uma grana, todo mês de novembro há um leilão de rótulos borgonheses em Beaune.


Bordeaux

A região de Bordeaux, literalmente “au bord de l’eau” (a beira da água), é cortada pelos rios Garona e Dordonha. Justamente por isso possui um solo diferenciado, que muito favoreceu a vinicultura. A região engloba cerca de 120 mil hectares de vinhedos, neles 65% da produção são da cepa Merlot, 23% Cabernet Sauvignon, 10% Cabernet Franc e 2% de outras castas diversas, como Petit Verdot, Malbec e Carménère. Entre as uvas brancas, 49% da produção são Sémillon, 43% Sauvignon Blanc, 6% Muscadelle e 2% de outras, como Colombard, Merlot Blanc, Sauvignon Gris e Ugni Blanc.


Jura

A região de Jura, no leste da França, quase na fronteira com a Suíça, produz vinhos que, cada vez mais, tem chamado a atenção de especialistas e consumidores. As principais tintas da região são a Poulsard (ou Ploussard) e Trousseau, Chardonnay lidera entre as brancas. Há, também, o célebre vinho amarelo ou Vin Jaune, uma colheita tardia de Savagnin, engarrafados após exatos seis anos e três meses de barrica. A comparação do Vin Jaune com o Vinho de Jerez é quase imediata, são bastante similares!


Champagne

Champagne é uma daquelas regiões que todos conhecem, mundialmente reconhecida pelos espumantes. Suas cepas mais famosas são Chardonnay (que correspondem quase a totalidade das uvas brancas plantadas na região), Pinot Noir e Pinot Meunier, porém são produzidos também ótimos rótulos com as uvas Arbane, Petit Meslier, Blanc Vrai (Pinot Blanc) e Fromenteau (Pinot Gris).


Rhône

Uma das mais antigas regiões vitivinícolas francesas, Rhône é uma produtora de vinho desde o período romano, com fontes que rememoram ao século I a.C. Entre as cepas tintas há predominância da Syrah e Grenache, entre as brancas Viognier, Marsanne e Roussane.


Vale do Loire

Os vinhos brancos são o destaque da região do Vale do Loire, patrimônio mundial pela UNESCO desde 2000, produz ainda tintos, rosés e espumantes. Além de contar com castelos e cenários dignos dos livros de fantasia. É a maior região produtora de vinhos brancos, secos e doces, sendo a uva Chenin Blanc a única permitida para a elaboração dos doces.


Sudoeste Francês

Vinhos tintos, encorpados e potentes em sabor são a marca do Sudoeste da França. Outra característica destes vinhos é a cor escura, alguns rótulos são tão escuros que foram apelidados de "vinhos pretos". Malbec, Tannat e Merlot são exemplos de famosas castas tintas da região, entre as brancas há Sauvignon Blanc e vinhos brancos doces, através de colheita tardia.


Alsácia

Pertinho da fronteira com a Alemanha (o que foi motivo, inclusive, de guerras ao longo da história) a região da Alsácia produz famosos vinhos brancos, secos ou doces, com cepas como Riesling, Sylvaner, Muscat, Pinot Gris, Pinot Blanc ou Gewürztraminer. Além da tinta Pinot Noir.


Languedoc

O nome dessa região é fruto de uma divergência linguística, os povos que ocupavam a França durante a Idade Média possuíam duas maneiras de dizer sim: “Oïl”, como diziam no Norte, ou “Oc” como diziam no Sul. Assim, os povos sulistas eram conhecidos como a terra da Língua do OC (Langue d’Oc) – daí o nome, Languedoc. Essa região produz, de maneira ímpar, vinhos tintos encorpados, bastante robustos e frutados. Destacam-se as cepas Syrah, Grenache e Mourvèdre, além de Cabernet Sauvignon, Viognier e Chardonnay, ainda que estes últimos sejam, geralmente, vendidos sob a nomenclatura de Vin de Pays.


Provence

A Provence (ou Provença, em português) é uma região bastante singular da França, por suas paisagens, gastronomia e, é claro, vinhos! É uma das poucas regiões vinícolas em que o destaque é o vinho Rosé, sendo uma das maiores referências globais na produção destes vinhos. Normalmente seus rótulos trazem bebidas elegantes de cor bastante clara, entre as principais cepas estão Syrah, Grenache, Cinsault, Mourvèdre, Tibouren e, mais raramente, Carignan e Cabernet.


Charente

Saindo um pouquinho do circuito dos vinhos, vale a pena citar a região de Charente cujo foco é a produção de Conhaque (Cognac), produzido exclusivamente com uvas da região de Cognac que são destiladas em vasos de cobre e envelhecidas por pelo menos dois anos! (Lembre-se que apenas o conhaque produzido nesta região é que pode receber o nome de Cognac, os demais são chamados Brandy).




Enfim, depois de tudo isso dá para ter uma noção do porquê da importância da França para o mundo vitivinífero. Apesar dos tempos de pandemia, podemos conhecer um pouquinho mais sobre a França por meio de seus vinhos. Então, abra uma garrafa e Santé!

17 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo